Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

22/10/2013

Desafio 2050: alimentar um planeta com 9 bilhões de pessoas exige produtividade no campo e conscientização social

​Essa é a conclusão dos debates ocorridos no último dia 10, durante o V Fórum Inovação – Agricultura e Alimentos para o Futuro Sustentável, em São Paulo (SP), iniciativa da FAO , Andef, Abag e Embrapa. Do evento saiu outra constatação: é preciso unir esforços entre a cadeia produtiva e os demais segmentos da sociedade para atingir os objetivos.
 
“A questão hoje é inovação, desenvolvimento de tecnologias e conscientização nutricional da população”, cravou o chefe do escritório da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) no Brasil, Alan Bojanic, enfatizando que hoje no mundo uma em cada oito pessoas passa fome. “A meta para 2050 não é zerar o número de pessoas em estado de insegurança alimentar, mas reduzir os índices atuais drasticamente”, complementou.
 
Atualmente, aproximadamente 1 bilhão de pessoas ainda se encontram em estado de miséria no planeta. Com o desafio estipulado pela FAO, este número deve cair para pouco mais de 300 milhões de pessoas. Um dos grandes responsáveis pelo acréscimo na produção de alimentos, ainda segundo o órgão da ONU, é o Brasil, considerado o grande player da produção global de alimentos. Para isso, deve ampliar a produção em 40%, sem a necessidade de desmatar novas áreas. “O mundo precisa aumentar a produção atual de grãos em 900 milhões de toneladas/ano e de carnes em 270 milhões/t por ano. O Brasil é o líder desse movimento”, disse Bojanic.

“O desafio está lançado e o relógio está correndo. É preciso fazer um investimento maciço em tecnologias para o campo e em infraestrutura. Mas há condições, conhecimento e compromisso para isso”, disse João Lammel, presidente da Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef).

“O desafio de alimentar o mundo é difícil, mas o agronegócio está cada vez mais profissionalizado. O segredo é a produtividade, ou seja, produzir mais em menos espaço”, ressaltou Luiz Carlos Correa de Carvalho, presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag).

Entre os principais gargalos enfrentados pela produção brasileira de alimentos e bioenergia, os problemas de logística e armazenagem também tiveram lugar nas discussões do V Fórum Inovação. Presente ao evento, a secretária de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Mônika Bergamaschi, admitiu a necessidade latente de investimento em infraestrutura para suprir os bons resultados obtidos pelo Brasil no campo. Porém, ela garante que os trabalhos para melhoria neste setor já estão em andamento, pelo menos no Estado mais rico do País.

O diretor-presidente da Embrapa, Maurício Lopes, defendeu a importância da produção de alimentos como fator preponderante não apenas para o ganho nutricional da população, mas também como geradora de saúde e educação social. “Com pesquisas voltadas ao combate da fome, a produção no campo gerará alimentos cada vez mais nutritivos e saudáveis, impregnando cada vez mais em nossa sociedade a consciência de que o consumo de bons alimentos resulta em uma população mais feliz e saudável. É a troca do tratamento pela prevenção”, disse.

Ainda participaram com contribuições e sugestões para o Desafio 2050 a TNC (The Nature Conservancy), representada por Suelma Rosa, chefe regional no Brasil; Google, representado por Francisco Gioielli, gerente de vendas; e Instituto Todos pela Educação, que contou com a presença de Alejandra Velasco.

Revolução Verde

Um dos pontos máximos do V Fórum Inovação foi a homenagem a 10 grandes nomes que ajudaram a transformar a agropecuária brasileira nas últimas décadas e a preparar o alicerce do crescimento econômico nacional (o agronegócio é responsável por 33% do PIB brasileiro).

Os "10 heróis da revolução verde no Brasil", homenageados no evento, foram Alfredo Scheid, Alysson Paolinelli, Cacilda Borges, Edson Lobato, Eliseu Alves, Fernando Penteado, Roberto Rodrigues, Helena Lage, Herbert Bartz e Romeu Kiihl.

“São nomes que figuram entre os maiores exponentes da agropecuária brasileira. Cada um com sua contribuição auxiliou a transformação do Brasil de importador a grande produtor e exportador de alimentos”, enfatiza o diretor geral da Andef, Eduardo Daher. “Somos hoje um líder graças a eles e devemos esta justa homenagem”, complementa.

O Desafio 2050 continua no portal da Revolução Verde, no endereço www.revolucaoverde.org. A cada semana, estará disponível o depoimento de um dos heróis, reverenciando sua vida dedicada à transformação do Brasil em potência produtiva. (Texto Assessoria)
 
Fonte: