Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

16/09/2016

Governo formaliza parceria com a China para construção de ferrovia

O governador Pedro Taques assinou, ontem, um memorando em que oficializa a parceria com o governo da China em prol da construção da Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico). O termo também foi assinado pelo diretor-geral da estatal chinesa China Railway Construction Corporation Limited (CRCC), Zhao Jiaping. Segundo ele, o investimento de R$ 20 bilhões será benéfico para os dois lados.

“Mato Grosso é o maior produtor brasileiro e o maior exportador para a China. Tem um potencial muito grande. A China quer estreitar essa relação e facilitar o comércio entre os dois países. Com o apoio do governo mato-grossense, teremos um projeto mais concreto para apresentar ao governo federal brasileiro”, afirmou Jiaping.

O secretário de Estado de Infraestrutura, Marcelo Duarte, sugeriu que a CRCC monte um escritório em Cuiabá para dar andamento ao projeto da ferrovia. “Este documento assinado hoje tem uma importância muito grande, pois oficializa nosso apoio, mas precisamos concretizar nossas ações. Com um escritório aqui, a CRCC estaria em contato com os técnicos da nossa secretaria e juntos apresentaríamos esse projeto em Brasília”, explicou o secretário.

A ferrovia

A Ferrovia de Integração Centro-Oeste deve integrar o projeto de construção da ferrovia Bioceânica, que ligará vários estados e municípios, especialmente Mato Grosso, ao Oceano Pacífico.

A Bioceânica vai abrir uma nova rota de escoamento da produção brasileira passando pelos estados de Goiás, Mato Grosso, Rondônia, Acre, e, atravessando o Peru, chegando ao Oceano Pacífico. Atualmente, os produtos exportados para o mercado asiático são escoados somente via Canal do Panamá.

A futura ferrovia poderá também enviar a produção agrícola do Centro-Oeste brasileiro para os portos do Norte e Sudeste, através da Ferrovia Norte-Sul, facilitando a exportação para Europa e Oriente Médio, o que abre ainda mais oportunidades logísticas.

Fonte: