Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

26/09/2016

Sistemas de produção aumentam qualidade da carne suína

Hoje, o resultado dessa profunda transformação pode ser visto na geração de emprego e renda para o país e à mesa do consumidor. As mudanças envolveram várias gerações de produtores. Já nos anos 1960, o Ministério da Agricultura e os empreendedores da cadeia da suinocultura começaram a pensar novas formas de produzir uma matriz animal diferente da que era conhecida naquela época: o suíno com muita gordura.

“A associação foi estratégica com o ministério para acompanhar o registro dos animais e sair da produção de banha para focar na produção de carne”, conta Remi José Sterzelecki, engenheiro agrônomo com mestrado em produção animal e coordenador do Projeto Suínos da Emater do Paraná, a empresa de assistência técnica rural vinculada à Secretaria Estadual da Agricultura e Abastecimento (Seab).

Nos anos 1980, a cadeia da suinocultura dá outro passo na melhoria do rebanho e passa a investir pesado em pesquisa. O resultado foi um animal com genética mais desenvolvida para a produção de carne a custos menores.

A guinada observada naquela época ajudou a desenvolver uma cultura em busca de um animal que pudesse oferecer cada vez mais carne de alta qualidade. Remi, da Emater, que hoje uma dessas linhas de pesquisa é o desenvolvimento do chamado “suíno light”, uma espécie formada por até 65% de carne.

Investimento no sistema de produção eleva qualidade e dá retorno ao produtor

Um dos primeiros resultados para o produtor, ao seguir os padrões do sistema de produção, está na produtividade da granja. Segundo a médica veterinária e consultora Roberta Zuge, o investimento na consultoria técnica e no treinamento de pessoal deve ser encarado pelo produtor como uma ferramenta que lhe dará resultados.

“Com essas etapas todas sendo seguidas na propriedade, pode-se aumentar a produtividade e consequentemente o lucro com aquele produto. Eu vejo o investimento no sistema de produção como economia. Quando você vai investigando o processo, você descobre alguns gargalos e acaba constatando setores que estão perdendo produtividade”, afirma Roberta.

Outra linha de pesquisa está resultando na criação de um tipo de suíno especial, com cerca de até 140 quilos. A ideia é abatê-lo mais tarde do que o previsto para ganhar na maturação da carne. Segundo Remi, é preciso acompanhar o manejo da alimentação e de raças com crescimento mais tardio para obter esse tipo de carne.

“Essa pesquisa permite apresentação melhor dos cortes, como lombo e mignon, por exemplo. Quem faz produtos de qualidade prefere esse tipo de animal”, afirma o representante da Emater. A pesquisa também envolveu contatos com criadores da Itália e Alemanha, onde o abate era feito em prazos maiores do que no Brasil.

Produção Integrada

No Frigorífico Frimesa, o sistema segue o conceito de produção integrada. Ele funciona de maneira conjunta entre o frigorífico e os produtores associados.

“Quando se fala na qualidade de produção, procuramos envolver todos os setores, desde o treinamento do funcionário até o registro do rebanho”, explica a médica veterinária e consultora Roberta Zuge. Na produção integrada, destaca Roberta, “não falamos apenas na sanidade e na qualidade da carne.” Há um padrão de funcionamento para cada setor, envolvendo desde o equipamento de segurança do funcionário, as ações para sanidade animal, o manejo do rebanho, a manutenção das instalações e dos rejeitos e como se fará o carregamento até o frigorífico.

Para o consumidor, ressalta Roberta, esse padrão de procedimentos entre os criadores e o frigorífico resulta em um produto em que não haverá oscilação na qualidade. “Com o rebanho seguindo os mesmos padrões de produção em todos os setores, cada consumidor poderá experimentar a mesma qualidade na textura, cor e sabor da carne suína que comprar”.

Fonte: