Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksDuPont Pioneer / Media Center / Notícias

Notícias

03/07/2017

AgRural estima que colheita do milho no país atingiu 16,2% da área

O levantamento da consultoria AgRural mostra que até ontem a colheita atingiu 16,2% da área cultivada, com avanço semanal de 6,8 pontos, mas mesmo assim os trabalhos estão atrasados em relação aos 20,5% registrados na mesma época do ano passado.

Segundo a AgRural, os dias sem chuva em regiões produtoras têm ajudado no avanço da colheita, principalmente em Mato Grosso, onde 31,7% da área já foi colhida. Em Sinop, a produtividade varia de 100 a 140 sacas por hectare. “Por lá, há relatos de problemas pontuais com milho avariado. Além disso, a preocupação com a falta de espaço nos armazéns é grande”, diz Fernando Muraro, sócio-diretor da consultoria.

O levantamento constatou que em Goiás a colheita atingiu 16% da área. “No sudoeste goiano, os trabalhos começam a ganhar ritmo e a movimentação só não é maior porque o produtor espera o grão perder umidade no campo para evitar descontos.”

Em Minas Gerais, diz a consultoria, 12,7% da área foi colhida. ‘No sul do Triângulo Mineiro, algumas áreas apresentam perdas de até 10 sacas por hectare devido ao ataque da cigarrinha, mas há quem estime que a produtividade média fique entre 95 e 100 sacas por hectare.”

Em Mato Grosso do Sul, a colheita está em 2,5% da área. “Apesar do tempo bom, a maioria aguarda o cereal perder umidade para colher e diminuir os gastos com secagem. Com a expectativa de safra cheia, a preocupação com a falta de espaço nos armazéns também é grande.”

Em São Paulo, onde o plantio foi lento, a colheita ainda não chegou a 1%, ritmo bem atrás dos 20% do mesmo período do ano passado.

No Paraná, a colheita está em 3,8%, ante 17,1% há um ano. No oeste paranaense, a demora no plantio e a chuva no início do mês atrasaram o início da colheita. Agora, os produtores têm aproveitado o tempo bom para iniciar os trabalhos, que tem mostrado bons resultados na produtividade e qualidade. Em áreas semeadas no fim de fevereiro, após a janela ideal, pode haver redução no potencial produtivo devido ao ataque de doenças.

Fonte: