Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

08/11/2013

China e Brasil querem aprofundar cooperação econômica

A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, senadora Kátia Abreu, acompanhou o vice-presidente Michel Temer em visita ao presidente da República Popular da China, Xi Jinping, na quinta-feira (7/11) em Pequim. O tema do encontro de 30 minutos com Jinping foi o fortalecimento da parceria comercial entre o Brasil e a China, ampliando e diversificando a pauta das exportações brasileiras.
 
“A conversa foi promissora no sentido de aprofundar a cooperação entre os dois países”, relata a senadora, que esta semana lidera uma missão empresarial do agronegócio brasileiro em Pequim e Xangai. Além de Xi Jinping, Temer também convidou Kátia Abreu para uma audiência com o vice-presidente chinês, Li Yuanchao, em que, mais uma vez, a conversa girou em torno da relação econômica entre dois países.
 
Os líderes chineses pediram maior abertura comercial e maior união nas questões internacionais contra o protecionismo dos países desenvolvidos. Defenderam, também, a construção conjunta de regras de comércio. Otimista com os desdobramentos destas reuniões, a senadora avalia que o Brasil está sendo prestigiado e bem recebido pelas autoridades chinesas.
 
Os dois parceiros assinaram um protocolo para a compra de milho brasileiro por parte dos chineses, o que representará uma troca comercial de US$ 4 bilhões. “É uma ótima notícia para os produtores de milho do nosso país, visto que, em razão da supersafra, acumulamos, hoje, 10 milhões de toneladas estocadas do grão”, ressalta a presidente da CNA.
 
A balança comercial Brasil-China apresentou saldo positivo de US$ 7 bilhões de dólares em favor do Brasil, em 2012. O foco, agora, não é o aumento do superávit anual, e sim a ampliação dos volumes totais de vendas. Por isso, o objetivo da missão comandada pela CNA é diversificar a composição da pauta de exportações, hoje concentrada em minérios, grãos e combustível, que representam dois terços do comércio com os chineses.
 
Fonte: