Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

27/12/2013

Especialista aponta 2014 como ano da “grande virada” do Brasil

“A grande virada desenvolvimentista no Brasil, tudo indica que ocorrerá a partir de 2014 e 2015”. A avaliação é do consultor de agronegócios e colunista da Agrolink, Climaco Cezar de Souza.
 
Segundo ele, “muitos empresários nacionais e algumas multinacionais sérias também já perceberam isto e estão construindo grandes projetos ou expandindo os antigos em parcerias com governos, empresas nacionais ou em projetos próprios. Também há uma correria por novas e boas oportunidades, sobretudo no Centro-Norte, Nordeste e áreas vizinhas aos novos poços de petróleo/gás, e que já estão aparecendo”.
 
Climaco contrapõe aos críticos que creditam o movimento a algum interesse político: “Por que as grandes multinacionais, e algumas empresas internas, estão acreditando muito e investindo no Brasil, ou nos prospectando intensivamente, nos últimos meses/anos? Será que irão, ou pretendem, injetar tantos recursos apenas como apoio político a algum possível candidato? Alguém tem ido atrás delas, exceto suas filiais e representantes no Brasil? Ou já descobriram que chegou a nossa hora? O que elas sabem, que não sabemos e/ou pouco acreditamos?”.
 
De acordo com o consultor, “há em implantação/expansão, até rápidas, mais de 10 mil obras de infra-estrutura, logística, mobilidade urbana, saneamento, mineração, petrolífera/gás, eletrificação, energias alternativas, telefonia, internet, saúde, habitação, esportes, turismo, educação, lazer, shoppings, aeroportos, expansão e novas fábricas privadas, expansão e novas agroindústrias, expansão e novos cultivos e diversas outras obras. Quem viaja muito pelos estados, inclusive pela área rural, comprova isto, diuturnamente”.
 
Ele avalia que o fenômeno é semelhante ao ocorrido na China e na Índia, porém aponta diferenças: “O Brasil já é um grande canteiro de obras [...] de forma progressiva e até mais consistente em longo prazo do que neles, [uma] vez que ainda temos muitos recursos naturais, muitos minerais estratégicos e ótimas terras a explorar sustentavelmente no agronegócio”.
 
Fonte: