Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Media Center / Notícias

Notícias

30/12/2013

​Plantio do milho avança na Argentina, mas tempo preocupa em algumas regiões

Até esta sexta-feira (27) o plantio da campanha 2013/14 de milho na Argentina atingiu 73,4% da área projetada para este ciclo, que será de 3,3 milhões de hectares, apontou relatório semanal da Bolsa de Cereais de Buenos Aires. Em números absolutos, foram implantados mais de 2,4 milhões de hectares.

De acordo com a entidade, a semeadura do grão com destino comercial realizado até o fim desta semana representa um progresso intersemanal de 8,2 pontos percentuais, mas um atraso interanual de -1,3 ponto percentual, frente ao cultivado no igual intervalo de 2012.

Mas apesar de os trabalhos avançarem nos campos, a condição climática em algumas regiões já preocupa o produtor. De acordo com o engenheiro agrônomo Maximiliano Zavala, analista agrícola do Departamento de Estimativas Agrícolas da Bolsa, o momento é de atenção para os lotes implantados na região centro-norte de Santa Fé, centro-oeste de Entre Rios, em função da perda de condição, gerada pela falta de precipitação e dos elevados registros térmicos.

 "O produtor está bastante preocupado. Estão transitando o período crítico e se espera que possa chegar a perder o potencial no rendimento", disse o analista.

Por outro lado, no norte de La Pampa e oeste de Buenos Aires, as chuvas de variada intensidade têm permitido a incorporação de novos lotes com milho tardio e o de segunda ocupação. No extremo noroeste do país (Salta, Tucumán e Catamarca), as chuvas dos últimos dias permitiram recuperar a umidade superficial e o avanço no cultivo do cereal.

Já nas zonas do centro-norte de Córdoba, centro-norte de Santa Fé e o centro-oeste de Entre Rios, ainda restam um alto percentual de superfície tardia para ser semeada.

Nesta campanha 2013/14 a área do milho na Argentina sofreu um recuo de 10,2%, frente ao semeado em 2012/13, consolidado em 3,6 milhões de hectares. ​
Autor:
Leandro J. Nascimento

Fonte: