Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
Navegar para Cima
Logon
Você está em: Skip Navigation LinksInício / Blog / ViewPost

Manejo de nematoides em milho tendo em vista a cultura subsequente

06
mar
2020
Manejo, Mercado, Safrinha, Agronegócio

Ano após ano, no cenário agrícola, a crescente preocupação com o aumento da incidência de fitonematoides, e consequentemente da severidade de seus danos às culturas anuais, preocupa agricultores e técnicos em diversas regiões produtoras do País.

Para um manejo eficiente no controle de fitonematoides é necessário entender sobre a complexibilidade deste grupo de microorganismos, pois, de acordo com estudos realizados pela Embrapa Milho e Sorgo, mais de 40 espécies de 12 gêneros têm sido observadas nas raízes da cultura do milho por todo o mundo onde o é feito o cultivo.

Dentre os diversos gêneros de fitonematoides que atacam a cultura do milho os que se destacam economicamente no Brasil são: Criconemella spp., Helicotylenchus spp. e Xiphinema spp. As espécies Pratylenchus brachyurus e P. Zeae são fitonematoides que parasitam a cultura têm importância devido a sua patogenicidade, distribuição em todas as regiões e densidade populacional.

O sistema radicular do milho parasitado por fitonematoides é bem menos eficiente na absorção de água e nutrientes e, por isso, as plantas podem apresentar sintomas como porte reduzido, deficiências minerais, murcha durante os períodos mais quentes do dia, espigas pequenas e mal formadas, e consequentemente perda de produção final.

Todos esses sintomas dão à cultura do milho a aparência irregular, podendo ocorrer em pequenas reboleiras em áreas maiores, por vários talhões da propriedade.

Nas imagens abaixo é possível notar os sintomas que podem indicar a presença dos nematoides nas raízes.


Imagem 01. Plantas com possíveis sintomas de presença de nematoides nas raízes.

Para o controle de fitonematoides em culturas como a do milho, é necessário fazer um plano de manejo estruturado e integrar vários métodos seguindo os princípios da fitopatologia, sem em momento algum delegar a responsabilidade de controle a um único método.

Métodos que contribuem para o controle de fitonematoides

1. Método da exclusão

Baseia-se em evitar a infestação em áreas não lesadas por novas espécies, evitando a introdução e disseminação de fitonematoides.

Além disso, deve-se fechar quaisquer tratos culturais vindos de outras regiões onde já foram identificadas as espécies de fitonematoides, diminuindo a disseminação.

2. Método de erradicação

É um dos mais difíceis e consiste na rotação de culturas para evitar a proliferação da praga devido à sucessão de uma mesma cultura (monocultura).

Quando se faz uma boa rotação de culturas as raízes de outras plantas não hospedeiras de fitonematoide vão contribuir para que essa população diminua ou até mesmo se extinga por falta de comida.

Algumas espécies de plantas não hospedeiras de fitonematoides são recomendadas para a rotação de culturas devido a sua viabilidade econômica, dentre elas estão: mucunas, crotalarias, braquiárias, nabo forrageiro, milheto, etc.

Todos esses gêneros botânicos podem ser utilizados em consórcio com a cultura do milho, apresentando vários resultados positivos na redução da população de fitonematóides.

Além da redução de população, essas culturas utilizadas em consórcio ou rotação, têm vários benefícios, como por exemplo:
• a restituição de nutrientes;
• a descompactação do solo;
• o aumento de matéria orgânica.



Imagem 02. Consórcio de milho com braquiária. Fotos: Hugo Oliveira e Pamella Marion.

3. Método de imunização/Resistência Genética

Consiste em usar híbridos tolerantes/resistentes ou com baixo fator de multiplicação de espécies ou raças de nematoides já conhecidas nas propriedades produtoras do cereal. A utilização de híbridos resistentes é uma das alternativas economicamente viáveis.

Considerações finais

Os métodos de controle químico em consórcio com outras cultivares vêm se destacando pelo seu incremento de produtividade, que em alguns casos pode chegar a 40%. Os produtos biológicos também têm surtido efeitos.

É importante ressaltar que métodos isolados reduzem a eficiência no controle dos fitonematoides e que todo o manejo só terá sucesso se os produtores adotarem o sistema produtivo completo, desde a escolha do híbrido mais adequado a ser plantado na safrinha, por exemplo, até as melhores variedades de soja que serão plantadas na safra de verão.

Além disso, é de extrema importância manter as áreas livres de soqueiras e plantas invasoras que tenham potencial para serem hospedeiras de várias espécies de nematoides, durante os períodos de entressafras.

Dúvidas sobre o manejo de nematoides? Sua lavoura de milho já apresentou algum sintoma? Como foi feito o manejo? Conte-nos e tire suas dúvidas nos comentários logo abaixo. Participe!

por Adilson Policena dos Santos
Engenheiro Agrônomo pela UFRGS (2006). Possui experiência em condução de ensaios a campo em parceria com universidades e fundações de pesquisa para as culturas do milho, sorgo e soja, geração e desenvolvimento de informações técnicas e treinamentos e palestras. Atualmente é Supervisor de Serviços Técnicos para as marcas de sementes da Corteva Agriscience, atuando no estado de Goiás.
10995 visualizações
 

 Comente

 
Nome  *
E-mail  *
Estado  *
Cidade  *
Código de segurança  *

Comentário  *
* Campos Obrigatórios
Atenção:

• Todos os comentários feitos neste Blog passam pela moderação de administradores e assim que possível serão publicados.

• Lembramos que os comentários postados são de responsabilidade do usuário e não representam necessariamente a posição da DuPont Pioneer sobre o assunto em discussão.

  • Comentários (5)

José Valdo Pereira de Oliveira

24/3/2020 10:39:05
Buscar formas de controles para os fitonematóides nas lavouras de soja, milho e etc...

Leandro Teixeira

31/3/2016 20:22:56
Boa noite. Quero começar a usar nematicida no tratamento de toda semente de soja. Favor orientar produto, custo/ha, como proceder com o tratamento de sementes, fungicida, inseticida, como+inoculante, e como faço o tratamento de sementes. Fico no aguardo. Antecipo agradecimento. Att, Leandro Teixeira.
Hugo Oliveira
5/4/2016 7:57:28
Sr. Leandro, o procedimento para tratamento de Nematicidas via semente no ato do tratamento de sementes deve ser feito o mais próximo do plantio possível. Hoje temos no mercado os produtos biológicos e os tratamentos com inseticidas químicos. A respeito de custo, é preciso pegar a cotações dos produtos indicados. Caso o senhor queira entrar em contato comigo para maiores informações, segue o meu e-mail: hugo.oliveira@pioneer.com

Rommel Jacintho da Silva

31/3/2016 20:09:51
Minha área tem nematoide, e já me causou prejuízo. O que devo fazer?
Hugo Oliveira
5/4/2016 7:58:24
Neste caso o senhor terá que identificar quais nematoides tem na propriedade. Este procedimento deverá ser feito via amostragens com as manchas onde o senhor suspeita que seja nematoide. Posteriormente deve enviá-las ao laboratório para que tenha certeza de quais espécies ou gêneros estão presentes nestas áreas. Vejamos uma forma de colher a amostragem: retire parte do solo junto com as raízes das culturas em questão; corte a parte aérea da planta; coloque a amostra de terra e raízes dentro de uma caixa de isopor; e envie para um laboratório de fitopatologia que faça análise de nematoides. Depois de identificada a praga que está na área, inicia-se um trabalho de rotações de cultura, variedades resistentes, tratamento, inseticidas biológicos ou químicos, para que se tenha uma redução das populações de nematoides. A utilização da crotalaria é uma boa opção de cobertura, pois sua raíz e tóxica para os nematoides. Lembrando também que não existe uma receita e o ideal é que se consulte um agrônomo de sua região para melhores informações e orientações.
     
 

 Posts Relacionados

 
 

 DuPont Pioneer no Facebook

 
​​​​​
 

 Informações Técnicas

 
Receba informações técnicas da DuPont Pioneer. Cadastre-se
 

 Sugestões

 
Deseja enviar uma sugestão de pauta para o blog? Clique aqui e preencha o formulário
 

 Núvem de Tags